TV Centro Sul

quinta-feira, 12 de março de 2015

Internação de Cid Gomes é recebida com suspeita

A notícia do internamento do ministro da Educação, Cid Gomes (Pros), no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, na noite da última terça-feira (10), após passar mal subitamente, foi vista com estranhamento pelos parlamentares estaduais de oposição. O episódio envolvendo a saúde do auxiliar de Dilma impediu que o ministro prestasse esclarecimentos, ontem, na Câmara Federal, após ser convocado pela Casa, depois de tachar em um evento no Pará, que a Câmara dos Deputados possuía “uns 400, 300 achacadores”. Em nota divulgada à imprensa, a assessoria afirmou que Cid está internado com quadro de traqueobronquite, sob os cuidados dos médicos Roberto Kalil e David Uip.
 “Isso é de se estranhar. Depois da ditadura militar, é a primeira convocação de um ministro do plenário do Congresso Nacional”, ressaltou o deputado Danniel Oliveira (PMDB). Para o parlamentar, a situação gera mais polêmica em torno da ida do ministro à Câmara.
 O peemedebista informou, ainda, que Cid foi notificado pelo ministro Celso de Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), para que responda, no prazo de dez dias, à interpelação judicial, apresentada pelo deputado federal Raul Jungmann (PPS-PE), sobre tal afirmação. “Tudo isso vai se aprofundar e Cid Gomes terá de provar que os deputados são achacadores”, complementou.
 Na mesma linha crítica, se pronunciou o deputado Heitor Férrer (PDT), que avaliou que a não ida do ministro à Câmara Federal fomenta ainda mais a crise entre o Congresso e Palácio do Planalto, porque o enfraquece, principalmente o governo federal. “Cid termina se negando, usando o expediente que jamais poderia usar que é de uma internação hospitalar”, criticou. “O ex-governador tem consciência da bobagem que falou, da impropriedade que falou. Vai voltar à Câmara Federal e dizer que houve um exagero e se retrate, a não ser que ele prove que os deputados vivem praticando extorsão na Câmara Federal”, disse o pedetista, acrescentando: “Se provar, vai ter o apoio de muitos. Se não provar, vai ter que se retratar.”

Atestado Médico
 De acordo com o deputado federal Danilo Forte (PMDB), assessores do ministro apresentaram na manhã de ontem, ao Congresso, um atestado médico que informava que o ex-governador do Ceará não poderia estar presente devido a um “procedimento de urgência”. A informação, segundo o peemedebista, foi repassada aos parlamentares pela Secretaria Geral da Mesa (SGM) da Câmara.
 O peemedebista explicou que a convocação do ministro aconteceria numa Comissão Geral dentro da sessão ordinária deliberativa da Casa. Com o recebimento do atestado, a SGM cancelou a Comissão Geral que ouviria Cid Gomes. Sendo assim, a convocação de Cid Gomes foi adiada para a próxima terça-feira, 17. “As minhas condolências ao ministro Cid se, de fato, tiver adoentado. Mas seguimos na expectativa que a sessão que ouvirá o ministro aconteça na próxima terça sem nenhum subterfúgio”, comentou Danilo Forte. A data citada pelo peemedebista, no entanto, não foi confirmada pela Câmara Federal.
 Já o deputado Capitão Wagner (PR) ressaltou que viu o evento com “estranheza”, haja vista que imaginava que o ministro estava em Brasília, mas se deslocou para São Paulo, para se internar. “Fica no mínimo esquisito, porque se a ocorrência era emergencial, ele deveria ter sido atendido em Brasília. De qualquer forma, o ministro não vai ter como fugir a essa convocação”, disse Wagner.

Sem Subterfúgios
 Já os deputados de situação defenderam que o ministro não usaria de subterfúgios para não comparecer à Câmara Federal e ressaltaram que Cid Gomes irá esclarecer a opinião emitida acerca dos parlamentares do Congresso. “Nós temos que, primeiro, levar os fatos à realidade e não puxar para o lado político”, frisou o deputado estadual Júlio César (PTN), vice-líder do governo na Assembleia Legislativa. “Se o ministro Cid não se sentiu bem e já foi diagnosticado e internando, não há como ser manobra”, criticou a fala dos oposicionistas, dando conta de que de forma muito “tranquila” e “serena”, Cid deverá apenas adiar a sua declarações.
 “Em princípio, o que sei é que a internação do ex-governador do Ceará foi em virtude de problemas de saúde. Ele vai comparecer, para prestar novos esclarecimentos, conforme a Constituição diz e preconiza do comportamento do ministro do Estado”,  afirmou o deputado Sérgio Aguiar (Pros).
Cunha checa internação de Cid Gomes
O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB), checou pessoalmente a informação de que o ministro da Educação, Cid Gomes (Pros), estaria internado no Hospital Sírio-Libanês. Segundo informações do colunista Felipe Patury, da revista Época, Cunha ligou para diretores do hospital para confirmar se Cid estava por lá. A direção, então, confirmou que o ministro está internado com sintomas de sinusite. Cid Gomes era aguardado ontem, na Câmara, para dar explicações sobre a sua frase em que disse existir 300 ou 400 “deputados achacadores” em Brasília, incluindo Eduardo Cunha.
PMDB quer verificar in loco internação de Cid
O líder do PMDB na Câmara Federal, deputado Leonardo Picciani (RJ), pediu a criação de uma comissão externa, constituída preferencialmente por deputados federais de formação médica, para verificar, ‘in loco’, o estado de saúde do ministro Cid Gomes e preparar um laudo que ateste o seu estado de saúde. O requerimento mostra desconfiança quanto à internação do ministro cearense. “(...) Sua ausência injustificada pode resultar em crime de responsabilidade”, diz o requerimento, que finaliza: “Com o laudo em mãos, a Casa irá “tomar as providências constitucionais e legais cabíveis”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Web Statistics