sábado, 14 de março de 2015

Raio destrói gerador e deixa cidades sem água no Ceará

As cidades de Canindé e Caridade estão, desde segunda-feira, sem água da Adutora de General Sampaio. O abastecimento foi prejudicado, no início desta semana, por conta de uma descarga de um raio que caiu sobre o gerador instalado em São Domingos, no município de Caridade. O aparelho que alimentava o sistema ficou praticamente destruído.
A tão sonhada e discutida adutora de engate rápido, que parte do Açude de General Sampaio até Canindé, foi inaugurada no dia 21 de dezembro de 2014, e até o dia 9 de março era movida por um gerador que trabalha a base de óleo diesel.
Até ontem, a Prefeitura de Canindé, já havia gasto cerca de R$ 300 mil reais, nos postos de combustíveis, da cidade, para mantê-lo funcionando. A subestação de São Domingos, em Caridade, recebe água diretamente da adutora do Açude General Sampaio, que complementa o restante do abastecimento até Canindé.
O incidente ocorreu na tarde da última segunda-feira, dia 9, quando a adutora estava em pleno funcionamento. Conforme Elias Teixeira, engenheiro ambiental sanitarista do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE), a descarga elétrica danificou várias peças do gerador e, consequentemente, interrompeu o fornecimento de água para a estação de tratamento, o que, automaticamente, deixou toda a cidade de Canindé sem fornecimento.
Elias informou, também, que as providências estão sendo adotadas para restabelecer o abastecimento d'água. "A previsão é que ainda nesta semana um novo aparelho será colocado em substituição ao destruído pelo raio", explicou.
O prefeito de Canindé, Celso Crisóstomo, revelou que o governo do Estado pagou à Coelce pelo projeto de Infraestrutura e Recursos Hídricos, que permitirá acionar a adutora por meio da rede energética, no valor de R$ 1.185.501, 07.
Desse montante, no trecho da estação de bombeamento do povoado de Pedras Pretas, em General Sampaio, de onde parte a adutora, foram investidos recursos da ordem de R$ 588.856,25. Já na localidade de São Pedro, em Caridade, o bombeamento de Canindé e Caridade custará aos cofres do governo do Ceará, R$ 596.644,82.
O diretor institucional e de comunicação da Coelce, José Nunes de Almeida Neto, confirmou o fato por meio de documentação apresentada pelo prefeito. Ele mencionou que a obra em questão deverá ser executada pela empresa em até 90 dias.
O plano de ampliação e expansão de rede prevê mudanças de postes, cabeamento e novas linhas de transmissão. Segundo o prefeito de Canindé, até o fim do mês a Coelce, fará uma ligação provisória imediata (LPI) nas linhas de transmissão, para evitar novos transtornos.
A partir de agora, os custos passam a ser de responsabilidade da Companhia de Gestão e Recursos Hídricos (Cogerh). Município de Canindé vai pagar pela água bruta. Já o tratamento fica por conta do SAAE.
"Vamos nos livrar das despesas e dessas obrigações altíssimas para atendermos à demanda da sede", comemora Celso Crisóstomo.
A previsão é de que, entre abril e maio, o problema da adutora de General Sampaio a Canindé deverá ser sanado definitivamente.
Em nota, a Coelce informa que fará, ainda neste mês de março, "o remanejamento de bancos reguladores para permitir nível de tensão adequado e, consequentemente, a ligação provisória da adutora General Sampaio/Canindé". A Companhia acrescenta que já está na sua programação, como prioridade, obra de extensão de rede para ligação definitiva do cliente.
Investimento
A Adutora tem 54,2 quilômetros extensão e faz parte da terceira fase do "Programa Cearense de Adutoras". Ao todo foram utilizados 31.978 canos de polietileno, que servem à população no modo de engate rápido. Os investimentos foram de R$ 22.107.479, sendo que, R$ 17,8 milhões foram para compra de equipamentos e R$ 4,2 milhões para a execução dos serviços.
Antonio Carlos Alves
Colaborador/Diário do Nordeste

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Web Statistics