terça-feira, 12 de maio de 2015

A cada semana, mil casos de dengue são confirmados no Ceará

O número de casos confirmados de dengue no Ceará subiu em mil a cada semana desde o boletim epidemiológico do dia 17 de abril, que contabilizou 4.648 confirmações. Hoje são quase 8 mil, segundo dados da Secretaria da Saúde do Estado (Sesa). Nove pessoas morreram esse ano vítimas da doença.  No Estado, a doença foi registrada, em 2015, em 118 municípios - 68,2% do território. Foram notificados 238 casos graves, sendo que 195 (82%) foram confirmados. No mesmo período do ano passado - de janeiro a abril - aconteceram 80 casos graves.
Um dado que chamou atenção no último boletim foi que, em uma semana, quase dobrou o número de mortes, passando de quatro para nove óbitos. O infectologista Ronald Pedrosa, porém, ressalta que a incidência é baixa. Os óbitos confirmados ocorreram nos municípios de Fortaleza (2), Maracanaú (2), Aquiraz, Barbalha, Caucaia, Limoeiro do Norte e Varjota. “São nove mortes em 8 mil confirmações, ou seja, 0,1%. Não acho que seja um motivo de alerta ainda, mas é um sinal para gente, enquanto médicos, cuidar e tratar”, avalia. O especialista lembra que até junho ainda é um período de vigilância mais intensa.
Para a Sesa, abril e maio são meses que requerem atenção especial, já que historicamente é quando o maior número de casos são registrados. Por isso, a pasta ressalta estar chamando atenção dos profissionais de saúde, por meio de notas, para diagnosticarem precocemente e não subestimarem casos, inclusive para a suspeita de febre Chikungunya.
Notificações
As suspeitas de dengue e de doenças viróticas lotam não só a rede pública de saúde. O supervisor de produção Ingo Ararê Lima, 30, recorreu a três hospitais particulares no fim de semana até que conseguisse atendimento. O diagnóstico de dengue foi confirmado pela primeira vez, depois que o corpo apresentou febre e dores. 
“Quem aguardava nas emergências também tinha esse quadro de febre”, relata. “No exame de sangue, a médica chamou atenção para verificar dois pontos críticos: hematócrito e plaqueta, que, se alterados, poderiam sinalizar dengue grave”, o que, felizmente, não se confirmou. A orientação foi para repouso e reforço na hidratação. 
Para combater a proliferação do mosquito Aedes aegypti, o Ministério da Saúde recomenda medidas de prevenção, entre elas: manter caixas d’água e outros recipientes de armazenamento de água fechados; colocar garrafas com a boca para baixo; não deixar água acumulada sobre a laje ou calhas; manter a lixeira fechada; colocar areia nos pratos das plantas.  
17 municípios no CE têm mais de 300 casos por 100 mil habitantes, o que configura surto epidêmico 
53 pessoas morreram, em 2014, vítimas da doença 
Saiba mais
Cerca de 90% dos focos do Aedes aegypti, mosquito que transmite a dengue, são encontrados dentro de casa. 
A ação do inseticida só é efetiva quando ele está em suspensão no ar e só mata o mosquito adulto. 
O inseticida não mata as larvas do Aedes aegypti, que estão em caixas d’água, potes, baldes, pneus, lajes. 
Com a ventilação a uma velocidade de 6 Km/h, a ação do produto dura de 40 minutos a uma hora e meia.
O POVO

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Web Statistics