Traficante brasileiro teria matado prostituta de 18 anos em cela no Paraguai para evitar extradição

Traficante brasileiro teria matado prostituta de 18 anos em cela no Paraguai para evitar extradição

- em Polícia
398
Brazilian Marcelo Fernando Pinheiro Veiga also known as Marcelo Piloto, sits during detention at Senad, Paraguay's National Anti-Drugs Office, in Asuncion, Paraguay, Thursday, Dec. 14, 2017. A statement released by Rio de Janeiro's State Security Department says that Pinheiro Veiga, one of Brazil's most wanted drug and arms traffickers, had been living for years in the city of Encarnacion, Paraguay from which he coordinated the shipment of drugs, arms, ammunition and explosives to organized crime groups in the slums of Rio de Janeiro. (AP Photo/Jorge Saenz)

Marcelo está preso no Paraguai desde dezembro de 2017.

O narcotraficante Marcelo Fernando Pinheiro da Veiga, conhecido como Marcelo Piloto, é acusado de matar uma adolescente a facadas dentro de cela no presídio em que está detido, em Assunção, no Paraguai. O crime teria sido para impedir a extradição iminente, autorizada em 30 setembro, de acordo o Ministério Público (MP) do País. O boletim de ocorrência foi registrado pela polícia local neste sábado, 17. Informações são do G1.
Lidia Meza Burgos tinha 18 anos e visitava Marcelo Piloto pela segunda vez, conforme a polícia. Um guarda, que fazia ronda no pavilhão por volta de 13h50min, ouviu gritos vindo da cela de Piloto. Ao verificar o local, encontrou a jovem caída no chão, ensanguentada.
Ela foi encaminhada para atendimento médico, mas não resistiu.
O promotor Hugo Volpe relata que Piloto teria utilizado faca de mesa para golpear a vítima cerca de 16 vezes, de acordo com informações preliminares da autópsia. Segundo o MP, a jovem era prostituta entrou na prisão fora do protocolo.
Extradição
Marcelo Piloto é considerado um dos líderes da facção criminosa Comando Vermelho. Ele está preso no Paraguai desde dezembro de 2017. Ele estava escondido no País há anos e enviava armas, drogas e munição para abastecer as favelas dominadas pela maior facção criminosa do Rio de Janeiro.
De acordo com a decisão que determinou sua extradição, Marcelo Piloto só poderia ser entregue às autoridades brasileiras depois da conclusão de dois processos abertos no Paraguai. Ele responde por homicídio e por produção de documentos falsos e violação da Lei de Armas (este último foi julgado na sexta-feira, 16).
Durante a audiência, Piloto manifestou recusa à juiza e ao promotor do caso, segundo o MP paraguaio, para tentar prolongar a burocracia e adiar sua extradição. De acordo com o promotor Volpe, a apelação de Piloto para não ser extraditado está em segunda instância e deve ser julgada em cerca de 15 dias, porém, se comprovada a culpa dele na morte da jovem, sua permanência no Paraguai ainda será analisada pela Justiça.

Deixe um Comentário

Política de moderação de comentários: A legislação brasileira prevê a possibilidade de se responsabilizar o blogueiro ou o jornalista responsável por blogs e/ou sites e portais de notícias, inclusive quanto a comentários. Portanto, o jornalista responsável por este Portal de Notícias reserva a si o direito de não publicar comentários que firam a lei, a ética ou quaisquer outros princípios da boa convivência. Não serão aceitos comentários anônimos ou que envolvam crimes de calúnia, ofensa, falsidade ideológica, multiplicidade de nomes para um mesmo IP ou invasão de privacidade pessoal e/ou familiar a qualquer pessoa. Comentários sobre assuntos que não são tratados aqui também poderão ser suprimidos, bem como comentários com links. Este é um espaço público e coletivo e merece ser mantido limpo para o bem-estar de todos nós.

Veja também

Bispo de Sobral é assaltado dentro de loja

Apesar do susto, religioso não foi ferido e